Ajude e ensine a prosperar

ajude-e-ensine-a-prosperar

Foto de Ronaldo Ramos

Por Danilo Cury*

“Se der um peixe a um homem faminto, vai alimentá-lo por um dia. Se o ensinar a pescar, vai alimentá-lo por toda a vida.” (Lao Zi, filósofo e alquimista chinês, nasceu em 604 a.C. e faleceu em 531 d.C.)

Esse maravilhoso ensinamento, que, na verdade, é uma filosofia de vida, resume bem o artigo. A maior parte dos livros e/ou cursos de autoajuda são “de” ou “baseados em” autores anglo-saxônicos, cujas sociedades absorveram bem esse ensinamento.

Os governos dos países latinos em geral têm a tendência de ser excessivamente paternalistas. É uma forma sórdida de dominação. A derrocada e o empobrecimento de alguns países latinoamericanos na primeira metade do século passado – que eram tão evoluídos quanto as grandes nações europeias – começou a partir de governos paternalistas, que diziam, e talvez pretendessem, resolver todos os problemas de seus povos.

Por causa de medidas populistas que afastaram investimentos, desestimularam a produção e a geração de empregos, a classe média desses países empobreceu rapidamente. E os pobres se mantiveram pobres. Afinal, eram eles que davam sustentação política à oligarquia dominante.

Como a história tem seus ciclos, vários países da mesma região passam por esse processo novamente. Governos que querem controlar tudo, impondo uma enorme burocracia. Com impostos altíssimos, recebem recursos mais que suficientes. No entanto, os gere de uma forma muito pior – antes continuassem nas mãos das pessoas que os produziram. O paternalismo, a corrupção e o mau emprego do dinheiro público acabarão levando esses países a uma situação insustentável.

Estão ficando à margem do desenvolvimento global, enquanto as outras economias voltam a crescer nos mesmos patamares de antes da crise de 2008. Se estudarmos a biografia dos grandes líderes, veremos que a maior parte deles teve pais muito severos. Não devemos chegar a tanto. O maior patrimônio que podemos deixar a nossos filhos não são bens materiais, mas, sim, a educação; devemos educá-los para que tenham condições de enfrentar qualquer situação. Por isso, é necessária uma boa estrutura emocional, o que os ajudará a ser felizes e despreocupados.

Na administração de uma empresa, o paternalismo leva a uma gestão centralizada, que não deveria estar presente em nenhuma organização moderna. A centralização atravanca as decisões, prejudica o dinamismo e o crescimento de qualquer companhia. As pessoas têm que trabalhar para a empresa, e não para o seu chefe. Tendo autonomia, os colaboradores vão se sentir mais confiantes, podem exercer sua criatividade e trabalhar de forma mais entrosada, visto que um não precisa competir com o outro para ganhar apoio de seu superior.

Seja um líder, não um chefe. Fomente o questionamento. Nunca considere um assunto fechado até que a equipe chegue a um consenso. Todos devem opinar. Com isso, surgirão novos líderes. E, com um mínimo de conflitos, todos estarão engajados e caminhando na mesma direção. Busque ter o máximo de informações, para poder sempre dialogar e expor suas ideias de uma forma segura e objetiva.

Pela minha experiência de vida, posso sugerir uma pequena mudança no ditado do velho sábio chinês: “Quando for absolutamente necessário, alimente um homem faminto, mas nunca se esqueça de ensiná-lo a pescar”.

*Especialista em planejamento e execução de negócios
dan_cury@terra.com.br

Comments

comments

Deixe uma resposta